O fluxo de caixa é uma ferramenta que deve ser atualizada, se possível, diariamente. Isso requer muita atenção e conhecimento das receitas e despesas da empresa, para que tudo possa ser apurado corretamente, já que o principal objetivo de um negócio é dar lucro.

Todas as movimentações de empresa devem ser representadas no fluxo de caixa: receitas, despesas, contas a pagar, contas a receber, empréstimos, reembolsos, rendimentos e desvalorizações de investimentos.

Um bom profissional em contabilidade consegue identificar onde foi gasto mais dinheiro e qual serviço trouxe mais receita. Além disso, a boa gestão também é capaz de antecipar possíveis problemas de movimentação de caixa.

 

Dicas para controlar o Fluxo de Caixa

7 Dicas para controlar o fluxo de caixa

Manter um fluxo positivo ajuda em diversos outros aspectos do negócio, como por exemplo, garantir a liquidez nas emergências ou reinvestir com segurança a sobra do caixa. Veja as dicas.

1 – Identifique receitas e despesas!

Você pode diferenciar receitas e despesas por cores e por um sinal de subtração em frente ao valor. O importante é conseguir identificá-las facilmente no fluxo de caixa.

2 – Separe as movimentações financeiras periódicas!

Separando as receitas e despesas que são periódicas daquelas que não são, você pode registrá-las nos fluxos de caixa de períodos futuros e fazer previsões de pagamentos ou recebimentos.

3 – Registre com antecedência o que for possível!

Despesas mensais confirmadas como aluguel, telefone, Internet, pagamentos parcelados e afins, podem ser registrados antecipadamente como contas certas para os próximos meses. Assim, você terá o saldo atual consolidado do caixa e o uma parte do saldo futuro provisionado, já estimando os valores a serem pagos.

4 – Lance as contas a receber!

Caso o serviço ou produto seja oferecido com possibilidade de parcelamento ou prazo para o pagamento, faça os lançamentos das contas que irá receber nos próximos meses. Assim, parte do valor da verba será adicionada ao caixa, já confirmado.

5 – Classifique suas receitas e despesas!

Crie categorias suficientes para classificar as movimentações do dinheiro e suprir todas as necessidades. Quanto menos categorias, mais superficial será o controle financeiro. Quanto mais categorias, mais detalhado e complexo. Então é importante encontrar o equilíbrio para a sua empresa.

6 – Agrupe despesas e lucros!

Determine quais são os departamentos da sua empresa (Administração, Recursos Humanos, Comercial e etc) e agrupe individualmente as respectivas despesas de cada um deles. Essa é uma boa maneira de organizar melhor e saber onde e quanto você está investindo.

Da mesma forma, crie grupos com lucros. Centros de lucros podem ser projetos, produtos, serviços ou qualquer outra forma de agrupar receitas. Assim, você saberá de onde exatamente vem cada quantia.

7 – Utilize ferramentas para manter tudo organizado!

Após a organização básica, que vai garantir uma avaliação mais clara das movimentações financeiras, utilize alguma ferramenta para visualizar seu fluxo de caixa classificado em categorias de forma gráfica. Isso pode ser feito, por exemplo, em planilhas, gráficos e relatórios.

 

Conheça os Erros Mais Comuns Que As Pessoas Cometem Na Declaração e Evite Cair Na Malha Fina do IRPF 2020!

Baixar Agora!
100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!