O Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC) foi introduzida legalmente na Contabilidade brasileira por meio da Lei 11.638 de 2007, dando nova redação ao inciso IV do art. 176 da Lei 6.404/76.

fluxo-de-caixa.jpg

O que é Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC)

Na contabilidade, o Demonstrativo de Fluxo de Caixa  (DFC) apenas é de elaboração legalmente obrigatória para empresas de capital aberto e para negócios com patrimônio líquido de R$ 2 milhões ou mais.

A forma prática para apresentação da DFC ficou por conta da publicação do Pronunciamento Contábil CPC 03, do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, e da Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Geral – NBC TG 03, do Conselho Federal de Contabilidade,  alterada consolidada em 19.8.2016 como NBC TG 03 (R3)

O fluxo de caixa é uma ferramenta gerencial e de controle das finanças que registra exatamente todas as ocorrências de suas contas com exatidão em números e datas com frequência. Dessa forma, permite aos responsáveis acompanharem de perto o que ocorre com o dinheiro do negócio.

De maneira simples, é composto por entradas, saídas e saldos. Mas pode-se adicionar o saldo operacional, um resultado obtido pelas entradas menos as saídas do período específico, para além de acompanhar os valores registrar o progresso do caixa.

Também é importante fazer a projeção do fluxo de caixa, com base em dados, documentos e meses anteriores, para prever o capital de giro da empresa nos prazos curto e médio. Assim, decisões sobre investimentos ou planos de prevenção contra problemas podem ser tomadas antecipadamente para ações mais eficientes.

Objetivo da Demonstração do Fluxo de Caixa

O objetivo da Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) é prover informações relevantes sobre os pagamentos e recebimentos, em dinheiro, de uma empresa, ocorridos durantes um determinado período, e com isso ajudar os usuários das demonstrações contábeis na análise da capacidade da entidade de gerar caixa e equivalentes de caixa, bem como suas necessidades para utilizar esses fluxos de caixa. segregando-se, no mínimo, em três:

I – das operações

II – dos financiamentos

III – dos investimentos

Um ponto a destacar são as questões de concurso público ou do Exame de Suficiência de Contabilidade. Tais questões, ou solicitam conhecimentos teóricos, ou conhecimentos práticos, para encontrar os valores dos fluxos das operações, dos financiamentos e dos investimentos.

 

Conheça os Erros Mais Comuns Que As Pessoas Cometem Na Declaração e Evite Cair Na Malha Fina do IRPF 2020!

Baixar Agora!
100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!